Hoje seria mais um dia normal de reuniões em São Paulo, se não fosse pela recepção que tive no aeroporto de Congonhas. Ao chegar no desembarque me deparei com uma fila de mais de 150m para pegar um taxi. O motivo? Taxistas, em protesto contra Uber bloqueavam o acesso dos táxis que prestam serviço no aeroporto. Também impediam a saída dos que lá estavam. Depois de pouco mais de uma hora de espera consegui finalmente seguir para meu destino.

Ao embarcar no táxi informei o endereço de destino e isto foi tudo o que conversamos durante o trajeto. Mais tarde, ao sair de uma reunião com destino à próxima, fiz o que tenho feito para me deslocar em São Paulo nos últimos 12 meses, usei o Uber. Além de já ter o endereço a seguir no aplicativo, o motorista confirmou a informação. Me ofereceu água e balas e ajustou a temperatura do ar condicionado e a estação de rádio ao meu gosto. Foi bastante cordial ao explicar durante o percurso os desvios que o Waze estava sugerindo para encontrar vias menos lentas. Ao final, agradeceu a preferência e me desejou um bom dia.

Qual a diferença entre os dois serviços? Os dois levam você do ponto A para o ponto B, assim como o esperado. Porém em um deles você tem a sensação de ser bem-vindo, de que o profissional que dirige o carro tem prazer em transportar você até seu destino. Ele está o tempo todo preocupado com seu bem-estar enquanto você utiliza o serviço. Já o outro parece estar fazendo um favor a você, seu único objetivo é chegar logo ao destino para estar livre para o próximo. O próximo passageiro para o taxista é sempre mais importante do que o atual.

Isto pode ser aplicado a qualquer tipo de negócio, comércio ou serviços. Nem sempre o produto é o mais importante. Seu concorrente pode entregar um produto semelhante ao seu ou até mesmo igual. O que fideliza é a forma como isto é feito. Neste caso, o Como é mais importante do que o Que. O acesso à tecnologia está cada vez mais fácil, a diferenciação de produto não dura por muito tempo. Os clientes preferem o Uber não porque ele tem um aplicativo, existem aplicativos de táxi também, mas sim pela experiência de uso.

Proporcione uma experiência ao seu cliente, o que é diferente de entregar um produto ou serviço. Avalie o que você pode fazer diferente para tornar seu produto/serviço único. O que fará com que ele torne-se difícil de copiar. Na maioria das vezes isso é mais simples do que parece. Ser cordial, tratar cada cliente como se fosse único, dedicar seu tempo e sua atenção incondicional àquilo que está fazendo. Colocar energia e alegria nas suas palavras. Isso faz uma diferença incrível. Nós, seres humanos, gostamos de afeto. Encontre dentro de você e no seu negócio como demonstrar a cada cliente o quanto ele é importante.

Venda momentos felizes e você nunca mais terá que vender um produto.

Muito sucesso e uma vida de muitas felicidades!

Cristiano Mendes

 

Receba minha newsletter com novos artigos!